CRM 2011 – Soluções Gerenciadas x Não Gerenciadas


Com o lançamento do CRM 2011, ganhamos a oportunidade criar Soluções Gerenciadas e Não Gerenciadas, nas versões anteriores não tínhamos opção de escolher o tipo de solução, mas tratavam-se de soluções Não Gerenciadas.

Mas afinal o que ganhamos com este nova funcionalidade?

Preocupações da Microsoft e ganhos com as Soluções Gerenciadas:

  • Bom de imediato a Microsoft teve um preocupação com as empresa de ISV (Independent Software Vendor), ou seja, as empresas que criam customizações do CRM e pretendem vendê-las pelo MarketPlace, pois quando criamos uma Solução Gerenciada, garantimos que nada será distribuído/copiado e desejando, alterado (dependerá de como gerenciou os componentes da solução – vou criar um artigo mais técnico para esse assunto!);
  • Possibilidade de remover todas as customizações de forma rápida e simples, do mesmo jeito que removemos um aplicativo em nosso desktop, notebook, etc. Podemos desinstalar completamente um módulo/funcionalidade, removendo uma solução inteira sem deixar nenhum componente no CRM;
  • Versionamento das extensões/aplicativos desenvolvidos anexos ao core do CRM;

Assim uma conclusão natural que poderíamos ter, seria de sempre usar um Solução Gerenciada! Na prática, nem sempre é o melhor caminho, pois quando estamos em ambientes de desenvolvimento e homologação, onde o nível de alterações é constante, temos que exportar e importar soluções a todo o momento e fazer diversos reparos. O uso de Soluções Não Gerenciadas se faz necessário, pois temos “acesso livre” para realizar as customizações. E no final, ainda podemos exportar uma Solução Não Gerenciada para uma Gerenciada, com isso aproveitamos o melhor das duas soluções.

Devemos considerar para o uso de Soluções Não Gerenciadas:

  • Atualizações constantes, ainda não temos uma versão final, diversas customizações serão necessárias (muito comum em desenvolvimento e homologação);
  • Necessidade de excluir componentes da solução;
  • Configuramos a segurança (níveis de acesso);
  • Não temos a necessidade de desfazer as alterações caso algo precise mudar (não conseguimos fazer um “rollback” das alterações);
  • Em situações que o não estamos customizando com a intenção de distribuir ou temos apenas um único ambiente para desenvolver, homologar e produzir (não recomendado);

Bom, isto é uma visão superficial e apenas uma instrução de qual caminho seguir, tem muito mais conteúdo para ser discutido. Tentarei comentar mais sobre este tema.

Att,

Tiago Cardoso

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.